sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Ao som do Cavaquinho choro porque ele não sai.

O Presidente da República enviou uma mensagem de condolências ao Rei Alberto II da Bélgica, a propósito das vítimas do acidente ferroviário em Hal.

Cavaco Dixit:

“Foi com profunda consternação que tomei conhecimento do elevado número de vítimas causado pelo grave acidente ferroviário ocorrido em Hal”, diz a mensagem de Cavaco Silva que, em seu nome próprio e em nome do povo português, apresenta sentimentos de pesar.
O Presidente da República dirige igualmente as condolências e solidariedade às famílias enlutadas.

Foi um gesto bonito, da parte do Sr. Presidente (esta foi a parte séria).

Tenho a certeza que as famílias das vítimas comentaram admiradas que o Sr. Silva – Eu já ouvi isto em qualquer lado – tinha enviado as condolências. – Sr. Silva? Mais qui est Sr. Silva? (esta foi para brincar, mas apenas com o Sr. Silva…).

Sócrates não pretende sair da liderança do partido


O secretário-geral do PS, José Sócrates, avisa que não irá abandonar a liderança do partido e que pretende dar respostas a todas as acusações de que tem sido alvo.

Aviso-o já Sr. Inginheiro que eu não posso ser comprado porque não me chamo TVI. Sabe, eu sou uma pessoa a modos que, independente, percebe? – Olhe e se as suas respostas forem iguais àqueloutras que nos deu sobre a sua licenciatura, faça o quis fazer à Moura Guedes e ao Crespo (pelo menos é o que dizem) e corte o pio a si próprio, porque já ninguém vai acreditar em si. Eia! Pois é pá. Existem sempre os caciques do Palco Sagrado.



Sócrates respondeu aos sectores políticos que queriam uma mudança de liderança do seu partido (e é que está todo rachado!).“Eles (lá está. Até internamente o homem sisma com as cabalas e as perseguições!) podem querer um novo líder, mas têm azar (têm eles e temos nós todos, os portugueses). O líder do PS, sou eu”, afirmou o PM terminando assim com os rumores sobre a sua saída (aqui quem manda sou eu, perceberam? – Vejam lá se querem ficar sob escuta…).




Sr. Inginheiro, não os ponha sob escuta. Olhe que as gravações dos últimos que foram escutados tinham tão má qualidade de som que as mandaram destruir. Pense bem. Pense bem!

Mar de Areia

150.000 jobs (for the boys) claro está.


Taxa de desemprego chega aos 10,1%
A taxa de desemprego nacional atingiu os 10,1% no último trimestre de 2009. Os números são do Instituto Nacional de Estatística (INE), que aponta no entanto um valor médio anual de 9,5% para o desemprego português em 2009 (o que já nos deixa mais descansados, claro!).
Nos últimos três meses do ano passado, a taxa de desemprego passou a barreira dos 10%, situando-se nos 10,1%,vi no site da TSF. É um valor muito acima dos 7,8% registados um ano antes e superior aos 9,8% do trimestre anterior.
Feitas as médias, o ano de 2009 fica então com uma taxa de 9,5%, que contrasta também com os 7,6% de 2008. Em termos absolutos, no conjunto do ano, a população desempregada situou-se nos 528,6 mil indivíduos (ficou portanto mais pobre, a, a, a, perdão, mais solidária…lembram-se?) sendo que o valor da população desempregada em 2009 é o mais alto segundo o INE desde 1983 (Porreiro, pá).
Segundo o INE, o desemprego foi transversal a todos os grupos etários, mas atingiu sobretudo as pessoas com 45 anos e acima desta idade, bem como aquelas cujas idades se situam entre os 35 e os 44 anos (É claro que não estão englobados os ex-ministros, muito menos o Sr. Inginheiro Jamais Lino, que esse está na Mota Engil!!!!!!).


Desemprego aumenta 6,8% em Janeiro
O número de pessoas inscritas nos centros de emprego aumentou 6,8% em Janeiro, comparativamente com o mês anterior. A subida anunciada pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) contrasta com a estabilização registada em Dezembro nos 10%.
No final do primeiro mês de 2010 estavam mais 560 mil pessoas sem trabalho e com registo nos centros de emprego, vi no “Jornal de Negócios”, citando os números oficiais. Se compararmos com o último mês de 2009 é apurada uma subida de 6,8%. Se confrontarmos a taxa de Janeiro com igual período do ano passado, verificamos uma subida de 25,1%.
Em termos de ofertas de emprego, o IEFP dá conta de um aumento de 4,9% em relação a Dezembro. São 19.033 ofertas, número que comparado com o mesmo mês de 2009 representa um aumento de 30,3% (Pronto e assim já está tudo ok!).


Desemprego leva cada vez mais portugueses qualificados a emigrar (Drain Brain)
Desde a década de 60 do século passado que não se verificava uma vaga de emigração (este termo está em desuso, agora falamos em Migração Internacional) semelhante. O desemprego está novamente a pressionar cada vez mais portugueses a emigrar e são também cada vez mais, os profissionais qualificados (migração especialista), a seguir esse rumo.
Quem o constatou foi o Conselho das Comunidades Portuguesas, instituição que, como vi no site da TSF, tem registado o aumento do número de portugueses que migram para o estrangeiro em busca de trabalho.
Apesar de não informar números oficiais, o CCP assume que, contrariamente ao que aconteceu há 50 anos, são os profissionais mais preparados (especialistas) que estão agora a abandonar o País (drain brain). São quadros técnicos e científicos que acreditam serem capazes de triunfar noutros mercados que lhes ofereçam as condições que aqui lhes prometeu o Governo e não cumpriu.
E quais são esses mercados? O presidente da Comissão Especializada de Fluxos Migratórios do CPP, Manuel Beja, citado pela TSF, destaca Ásia e África como destinos apostados na actualidade (quem diria, possivelmente até para ex-colónias a quem perdoamos dívida externa que tinham com Portugal aqui há já uns anitos, digamos que no tempo do Sr. Inginheiro que queria a máquina calculadora para fazer as contas!).

Os comentários que me permiti efectuar, estão entre parêntesis, em itálico e a negrito.

Mar de Areia

A Proposta do Marcelo. Qual será?



Há data da implantação da República foram inúmeros os artistas, da época, que quiseram esculpir bustos da república. Mas, segundo rezam os canhenhos, o busto oficialmente adoptado foi obra de João da Nova, pseudónimo do escultor João da Silva. O pseudónimo de João da Nova foi adoptado pelo escultor, dado o facto de regularmente assinar artigos na revista Seara Nova. O busto da República foi inaugurado por Afonso Costa em Outubro de 1911.
A mulher que serviu ao escultor de modelo para o busto, morreu em Lisboa no início da década de 90 com a provecta idade de 101 anos. Era natural do concelho alentejano de Arraiolos. Seguramente, antecessora dos que algumas décadas mais tarde percorreram o mesmo caminho na busca de uma vida menos madrasta, ganhou o pão e a farpela em Lisboa com a profissão de costureira. Obviamente, seria uma mulher lindíssima!


Marcelo Rebelo de Sousa "gostava" de ver propostas de novo busto da República

Madrid, 19 Fev (Lusa) - O comentador político Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que gostava de saber que propostas seriam avançadas para uma eventual alteração ao busto da República.

"Eu ouvi que a Joana de Vasconcelos tinha proposto uma mudança em relação ao busto da República. Em França, houve e foi substituído o busto tradicional pelo busto da Brigitte Bardot", afirmou à Lusa em Madrid.
"Não queria entrar nesses pormenores que são de natureza estética, mas gostava de perceber qual era a ideia da Joana Vasconcelos em relação ao busto proposto para a República. Em França foi a Brigitte Bardot. Gostava de saber quem propunha o quê para o busto de Portugal", afirmou.
Questionado sobre se gostaria de avançar alguma sugestão, Rebelo de Sousa foi enfático: "Não tenho nenhuma sugestão a apresentar", disse.
Esta semana, a artista plástica Joana Vasconcelos afirmou à Lusa considerar que o busto da República deve ser alterado por estar "bastante desatualizado" porque "a figura da República é a figura de uma época. Simboliza as mulheres de uma época e está muito ligada à escultura clássica europeia".
Confrontado pela Lusa com a mesma pergunta também em Madrid, Antonio Vitorino, limitou-se a um largo sorriso, sem palavras. Perante a insistência, e referindo-se a esse sorriso, limitou-se a acrescentar: "eu já respondi".
Ao contrário do que tem acontecido em França, onde a efígie tem sido modificada ao longo dos tempos, inspirada em figuras públicas - como foi o caso de Brigitte Bardot, e, mais recentemente, Laetitia Casta - o busto português vai continuar inalterado.
O busto da República mais difundido em Portugal foi o da autoria do escultor José Simões de Almeida (1880-1950).

Ora então, ninguém se quer manifestar?
Pois o Mar de Areia não tem medo e deixa-lhe aqui algumas propostas. Ok. Professor?




















E que tal. Ha?

Mar de Areia
Loading...

Concorda com a lei das finanças Regionais?